Wyrd (Thegns of Mercia)

Hām » Teologia » Wyrd » Wyrd


Estátuas modernas das Nornir em Ribe, Dinamarca.
Texto original: The Thegns of Mercia
Tradução de Seaxdēor

O conceito de Fado [Fate] ou Destino [Destiny] todo-poderoso é fundamental não apenas para a visão de mundo anglo-saxã, mas também para a filosofia indo-europeia.

A palavra "wyrd" ocorre não menos que nove vezes em Bēowulf, onde é usada para denotar "fado ou destino onipotente", e seu uso revela muito sobre as crenças anglo-saxãs. O entendimento anglo-saxão de "wyrd" e o equivalente nórdico relacionado, mas sutilmente diferente, merece ser discutido.
Wyrd bið ful aræd
("O destino é totalmente inexorável" — O Andarilho)

þrymmas syndan Cristes myccle, wyrd byð swiðost
("As glórias de Cristo são grandes, Wyrd é a mais forte de todas" — Versos Gnômicos)
No entanto, para os anglo-saxões, Wyrd não era uma força impessoal, mas uma das três irmãs, que cortava o fio da vida dos humanos, media seu comprimento e depois o cortava fatalmente.

Como a ideia destas três irmãs implacáveis existe de uma forma ou de outra em toda a Europa, é provável que seja uma antiga ideia que remonta pelo menos à Idade do Bronze Europeia. Na Grécia Antiga, as responsáveis pelo destino eram chamadas de Moirai [Μοῖραι] — significando 'repartidoras' e compreendendo Clotho (a 'fiandeira' que girava o fio da vida), Lachesis (o 'distribuidora de sortes' que mediu o fio) e Atropos ('aquela que não torna' que finalmente rompeu ou cortou o fio). As Moirai vestidas de branco eram as filhas da Noite e viviam em uma caverna perto de um lago. Os romanos chamaram as responsáveis pelos destinos de "Parcae" e as chamaram de Nona, Decima e Morta, elas também criaram a teia da vida dos homens. As Eddas nórdicas falam das três Nornir; Urðr ('o que veio a acontecer'), Verðandi ('o que está em processo de acontecer') e Skuld ('o que precisa acontecer').

O nome coletivo do inglês antigo para as três regentes dos destinos foi perdido, mas há pouca dúvida de que os ingleses primitivos pensavam nelas como sendo três irmãs. Macbeth, de Shakespeare, baseia-se na história da Grã-Bretanha de Raphael Holinshed (1587). Em Holinshed, Macbeth e Banquo encontram "três mulheres em roupas estranhas e selvagens, parecidas com criaturas do mundo antigo" que saudam os homens com profecias brilhantes e depois desaparecem "imediatamente fora de suas vistas". Holinshed observa que "a opinião comum era que essas mulheres eram ... as Irmãs Estranhas [Weird Sisters], ... as deusas do destino".

A principal deusa anglo-saxã do destino era Wyrd. O nome é um substantivo verbal feminino derivado do inglês antigo weorðan, que significa "vir a acontecer / tornar-se", que deriva do proto-germânico *wurþ- com o mesmo significado e, em última instância, da raiz proto-indo-européia * wert- "tornar, vento".

Os nomes das outras duas irmãs também foram perdidos na tradição inglesa. Agora, o nórdico antigo Urðr é claramente cognato com o Wyrd anglo-saxão, portanto, pode-se esperar que as outras duas irmãs sejam chamadas de *Weorðend e *Sculd, mas não há evidências para esses nomes. No entanto, a literatura em inglês antigo retém o nome "Metod" como sinônimo do Deus cristão e, embora muitas vezes glosado como "governante ou criador", seu significado real é "aquele que mede ou elimina". A palavra deriva do *metana proto-germânico — "medir" e, em última análise, do proto-indo-europeu *mede- "mesurar".

A palavra "Metod" é usada duas vezes em Bēowulf; primeiramente, ao descrever o julgamento do deus cristão sobre Grendel:
ac hē hine feor forwræc metod for þȳ māne
("pois ele [o deus cristão] o levou para longe, o Governante, por este crime" — Bēowulf linha 110)
e depois

eald metod
("aquele antigo Mesurador do Destino" — Bēowulf  linha 945)
Parece haver pouca dúvida de que o significado original de Metod era fado ou destino. No Poema Rimado anglo-saxão, do Livro de Exeter, o narrador fala de suas circunstâncias de vida:
Me þæt wyrd gewæf
("a Wyrd teceu isso para mim")
Isso deixa muito claro que a Wyrd foi pensada como tecendo a teia do destino de um humano. Da mesma forma, a Wyrd é percebida como girando com um fuso de queda. Quando as fibras do destino se viram, elas se torcem e se tornam o fio do destino.

É possível que o destino tenha preservado uma representação visual das três Irmãs Fatais. O painel direito da famosa Urna de Franks (o painel de Bargello — veja abaixo), tem no lado direito uma tríade de figuras encapuzadas que podem retratar as Irmãs. O texto rúnico é enigmático ao extremo, mas uma leitura pode ser:
Her Hos sitiþ on harmberga
agl[.] drigiþ swa hiræ Ertae gisgraf
sarden sorga and sefa torna.
risci / wudu / bita

"Aqui Hos se senta no monte da tristeza;
Ela sofre da forma que Ertae tinha imposto sobre ela,
uma miserável caverna de tristezas e tormentos da mente.
juncos / madeira / mordedor".
No entanto, seria corajoso concluir que "Ertae" é o nome perdido para as três irmãs. As três figuras parecem semelhantes às representações da deusa tríplice celta. "Genii Cucullati" são figuras encontradas na escultura religiosa em todo o mundo romano-celta.

'Painel de Bargello' da Urna de Franks, mostrando três fuguras (à direita).
Deve-se suspeitar que os ingleses pré-cristãos frequentemente percebiam as deusas implacáveis do destino em outros termos que não benignos. Certamente os nativos fatalistas fizeram o que é amplamente demonstrado por esta seção da Saga de Njal. Aqui está descrito como várias mulheres montam um tear com cabeças cortadas de homens para pesos, entranhas viscosas para fio e uma espada nua como a agulha. As mulheres cantam uma canção chamada Darroðarljóð (uma profecia sobre o resultado da Batalha de Clanarf travada nos arredores de Dublin em 1014 EC). Existe uma clara conflação entre as Valquírias que escolhem os mortos e as Nornas que tecem a teia do destino.
    “Chove sangue da teia nebulosa
    No amplo tear do abate.
    A teia do homem cinza como armadura
    Agora está sendo tecido; as Valquírias
    Vão atravessá-lo com uma trama carmesim.
    A urdidura é feita de entranhas humanas;
    Cabeças humanas são usadas como pesos de fiar;
    Os bastões de fiar são lanças molhadas de sangue;
    Os veios estão ligados com ferro e as flechas são as lançadeiras.
    Com espadas, nós teceremos esta teia de batalha.
    As Valquírias vão tecendo com espadas desembainhadas,
    Hild e Hjorthrimul, Sanngrid e Svipul.
    Lanças quebraram escudos,
    Espadas vão roer como lobos através de armaduras.
    Vamos agora acabar com a teia da guerra
    Que o jovem rei uma vez travou.
    Vamos avançar e percorrer as fileiras,
    Onde nossos amigos estão trocando golpes.
    Vamos agora acabar com a teia da guerra
    E então seguir o rei para a batalha
    Gunn e Gondul podem ver lá
    Os escudos salpicados de sangue que guardavam o rei.
    Vamos agora acabar com a teia da guerra
    Onde as bandeiras guerreiras estão avançando
    Que sua vida não seja tomada;
    Apenas as Valkyrjur podem escolher o morto.
    Terras serão governadas por novos povos
    Quem uma vez habitou as terras afastadas.
    Nós pronunciamos um grande rei destinado a morrer;
    Agora um jarl é derrubado por lanças.
    Os homens da Irlanda sofrerão um pesar
    Isso nunca envelhecerá nas mentes dos homens.
    A teia é agora tecida e o campo de batalha fica avermelhado;
    A notícia do desastre se espalhará pelas terras.
    É horrível agora olhar em volta
    Como uma nuvem vermelho-sangue escurece o céu.
    Os céus estão manchados com o sangue dos homens
    Enquanto as Valkyrjur cantam sua música.
    Nós cantamos bem músicas de vitória
    Para o jovem rei; saudação ao nosso canto!
    Deixe aquele que ouve nossa canção das Valkyrjur
    Aprenda bem e conte aos outros.
    Vamos montar nossos cavalos com força nas costas nuas
    Com espadas desembainhadas daqui!"
    E então rasgaram o tecido do tear e o rasgaram em pedaços, cada um contendo o fragmento que ela segurava nas mãos ... As mulheres montaram  em seus cavalos e partiram, seis para o sul e seis para o norte.
Já foi dito muitas vezes que os anglo-saxões eram (e provavelmente ainda são) fatalistas. Certamente, naqueles primeiros dias em que a existência de uma pessoa continuava dependendo das colheitas decentes, evitando doenças e boa sorte nas batalhas, os homens acreditavam que, em um tempo predeterminado, estavam condenados a morrer e não havia nada que pudessem fazer para evitá-la. Em tempos mais modernos, essa filosofia foi vista nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial, onde soldados endurecidos pela batalha, que testemunharam o extermínio em massa de amigos e camaradas, desenvolveram um senso protetor de resignação mórbida de que nada poderia deter a morte. Na fraseologia das tropas, ela chegaria quando "o número deles estivesse ali".

Apesar disso, o poeta de Bēowulf observou que:
Wyrd oft nereð unfægne eorl, þonne his ellen deah!
("O destino muitas vezes salva um herói que não se apresenta enquanto seu zelo prospera")
A implicação é que, enquanto a coragem de um homem resistisse, ele tinha uma boa chance de sobrevivência, já que a Wyrd costumava trabalhar para ajudar um homem assim, contanto que ele não fosse "condenado"; por outro lado, se um homem estivesse condenado, nem mesmo sua coragem poderia ajudá-lo contra o que estava destinado a ser.

Agradecimentos:
“The Lost Gods of England” por Brian Branston
Tradução da Darroðarljóð em ‘The Viking Answer-Lady’.