Orlæġ

Hām » Teologia »  Orlæġ


Orlæġ (ON: orlǫg, islandês: örlög, do proto-germânico *uzlagą) é uma palavra composta literalmente com os componentes or- ('original', 'fundamental') e -læġ ('o que é posto', 'lei' ), a palavra orlæg é frequentemente glosada no inglês moderno com conceitos de “fate” (fado) ou “destiny” (destino). Como é muito comum na tradução de conceitos antigos, esta definição é insatisfatória para o propósito de informar o contexto cosmológico e a cosmovisão germânicos. Juntamente com wyrd, o conceito de orlæġ é um aspecto fundamental da realidade e do ser.

O uso da palavra “destino” é, em última análise, inútil na definição de tudo o que engloba o conceito de orlæġ: é carregado com bagagem estrangeira da Antiguidade Clássica e sugere um ponto final fixo e predestinado no que é uma progressão linear de eventos que constituem a soma da existência de uma pessoa. O que encontramos ao nos envolvermos com a cosmologia e as concepções germânicas do tempo é que essa é uma associação inadequada e perigosa.

Orlæġ está intrinsecamente ligado às Norns que, na Vǫluspá, dizem realizar três tarefas importantes na continuação do cosmos: elas fazem (falam) as leis, escolhem a vida para os homens, estabelecem e marcam o fado. Tudo isto falam da totalidade da orlæġ na vida de um indivíduo e de toda a existência através do cosmos. Orlæġ é a lei da realidade uma vez que é falada, e em consideração a isso, as Norns escolhem as vidas dos seres do cosmos, e fazem seus destinos. Pelo ato de falar, a lei opera dentro de toda a realidade - todos os mundos que estão dentro da Árvore - o que dá à realidade o sustento que ela requer para sua persistente renovação e regeneração. Este é um tema central na cosmologia germânica.

Falando a orlæġ, as Norns atraem as ações de toda a realidade de volta para o Poço da Wyrd. As ações de todos os seres são estabelecidas à medida que são completadas, formando um continuum sempre expansivo da realidade. As ações passadas nunca desaparecem verdadeiramente, mas existem em camadas estratificadas dentro do poço. Orlæġ é chamada de “lei original” porque as primeiras camadas de estratos são resultados de ações desta lei falada primal.

O conceito de orlæġ está ligado ao “passado” na manifestação germânica do termo, que existe de um modo fundamentalmente diferente do que é comumente entendido pelos praticantes modernos da Heathenry. Semelhante à wyrd, que existe como uma força que tem e ainda está por acontecer, a orlæġ regularmente impacta o mundo porque é continuamente falada pelas Norns.

Orlæġ é tudo o que acontece com respeito a tudo o que já aconteceu; já é aquilo que tem sido conhecido. Desta forma, não é o "fado" de um ponto predestinado em algum futuro, nem um clímax grandiosamente explosivo ou choramingante para a vida de um homem. O Poço da Wyrd consiste em todas as ações que ocorreram, que são estruturadas e colocadas em camadas por causa da orlæġ falada. Os eventos da realidade estão claramente relacionados, claramente ligados às ações do passado, e a sempre crescente tapeçaria de eventos está entrelaçada, não muito diferente de um tear.

Dizemos que existe uma natureza inter-relacionada e interconectada entre os eventos do “passado” e os eventos do “presente”. Eventos atuais, do dia presente, ocorrem e retornam ao Poço da Wyrd, adicionando seus eventos à complexidade do passado sempre crescente. Mas é importante reconhecer que o passado não é afetado nisso; não é uma coisa estática que está confinada à pedra. Ações presentes, em parte, reestruturam ou reformulam as ações do passado. Desta forma, o presente mantém características inter-relacionadas com o passado, enquanto o passado se intromete completamente no presente com todas as nossas ações.

Ou, para continuar a analogia do tear de maneira mais simples: a realidade é um tear, a wyrd são os fios individuais e a orlæġ é a estrutura e o vaivém, o veículo para construir as camadas que formam a tapeçaria.

Fontes:
Paul C. Bauschatz, The Well and the Tree: World and Time in Early Germanic Culture, (The University of Massachusetts Press: Amherst), 1982.
Orlæg, Larhus Fyrnsida <https://larhusfyrnsida.com/fundamentals/orlaeg/>