Ciclo de presentes

Hām » Visão de mundo » Ciclo de presentes



Por Chad Taylor.
Tradução de Seaxdéor.

Um presente por um presente

Um dos, sem dúvida, mais importantes componentes da visão de mundo dos heathens antigos é o do ciclo de presentes [gifting cycle]. Ele simplesmente não pode ser subestimado. Quando pensamos em dar, ou receber presentes, sejam eles tangíveis, ou não, isso foi incrivelmente importante para os antigos heathens. Portanto, uma compreensão disso é absolutamente essencial para qualquer praticante de fyrnsidu. Em outras partes importantes da visão de mundo, como a hospitalidade, bem como as ofertas dadas aos ancestrais, wihta ou divindades, o ciclo de presentes está no centro.

Sobre a importância de dar presentes no passado, Vilhelm Gronbech, em seu livro "Culture of the Teutons", escreve o seguinte:

…"Uma pessoa pode seguramente confiar no presente e dar-lhe plenos poderes para falar em nome de alguém, pois a alma em si alcançaria a obrigação, a honra, precisa ligar a sorte e tecer o destino no destino, precisa produzir a vontade, ou colocar um novo elemento nela"…

Esperava-se que senhores, chefes ou reis recompensassem seus þeġnas e ġesiþas com presentes para o seu serviço, por exemplo. Os anéis são mencionados como um desses presentes, pelos quais os senhores era comumente conhecidos dar. Assim, mesmo nos altos escalões das sociedades germânicas, ninguém estava imune à obrigação de retribuir presentes e favores.

Como já foi dito, o ciclo de presentes é parte e parcela da visão de mundo dos antigos heathens, bem como, é claro, do praticante de fyrnsidu hoje. Por quê? É bem simples: em um tempo muito menos estável do que o nosso, quando havia tribos e reinos hostis, assim como populações menores e menos densas presentando tinham a possibilidade de construir e manter estabilidade, ou mesmo sobrevivência.

 Assim, um presente dado a um amigo e a capacidade desse amigo de retribuir poderiam, em última análise, construir alianças entre famílias e clãs, até mesmo tribos e reinos. Assegurando a proteção do friþ de um innanġeard. Isso também poderia ser aplicado entre as tribos para assegurar griþ, paz ou trégua entre essas tribos. Além disso, o ciclo de presentes pode muito facilmente ser aplicado em nossas vidas diárias também, é atemporal.

Se alguém dá presentes a outra pessoa, e eles são aceitos, mas nada é feito em troca, o cenário provável é que, no mínimo, aquele que dá presentes provavelmente deixará de fazê-lo. Dito isto, cabe aos envolvidos em tal ciclo determinar o que é apropriado em relação à reciprocidade. Naturalmente, isso não é feito frequentemente na forma de um contrato escrito, embora isso seja possível.

Sobretudo, ciclos de presentes são baseados em compreensão mútua e honra pessoal. Em muitos casos, isso pode ser visto hoje. Afinal, quantas pessoas deram dinheiro a um amigo ou membro da família necessitado? Se você não tem, provavelmente conhece alguém que tem. Geralmente, seja ou não um empréstimo, normalmente é esperado que, quando o amigo ou membro da família seja capaz, ele retorne o favor.

Tal retorno pode ser, literalmente, um retorno monetário ou material. Outras vezes, pode estar ajudando o presenteador de outras maneiras. Seja dando-lhes uma carona para o trabalho, talvez ajudando-os em tarefas domésticas, ou ajudando-os de alguma outra forma. Há muitos exemplos, e muitos de vocês podem também, espera-se, saber sobre tais assuntos por experiência pessoal.

Também vemos as consequências do fracasso em retribuir nessas situações. O receptor pode ser visto como ingrato, indigno de confiança e possivelmente não merecedor de associação adicional. Devido a ambos os lados da situação, pode ser considerado sábio não aceitar um presente que não tenha nem desejo nem capacidade de retribuir. Como o ciclo de presentes tem a possibilidade de fortalecer ou enfraquecer os laços entre pessoas, famílias ou unidades em escalas ainda maiores.

No fyrnsidu, onde procuramos olhar para a visão de mundo dos heathens anglo-saxões do passado, e descobrir o que a partir da visão de mundo é razoavelmente aplicável e relevante para o mundo de hoje, o ciclo de presentes é um dos pilares que não são apenas essenciais. Não, é importante; na verdade ainda é incrivelmente relevante, mesmo depois de mais de um milênio que o paganismo anglo-saxão deixou de ser praticado de forma geral, como a importância que algumas vezes é colocada na relevância da reciprocidade, não morreu realmente.