Dweorgas

Hām » Teologia » Dweorgas


(Para a pronúncia do nome, clique no player)

Significado do nome: Dweorg significa literalmente "anão".

Outros nomes: Cognato com o frísio dwirg (frísio do oeste dwirg, dwerch), saxão antigo gidwerg, dwerg, médio holandês dwerch (holandês dwerg), alto alemão antigo twerg, twerc (alemão Zwerg), nórdico antigo dvergr (sueco dvärg). Todos advindos do proto-germânico *dwergaz.

Função: . Através das tradição escrita, todavia, é bastante difícil se definir as diferenças entre anões (dvergar/dweorgas), elfos (álfar/ylfe), gigantes (jǫtnar/ēotenas) e trolls. Assim como os ylfe, os anões são associados aos mortos, todavia, grande parte dos nomes de dweorgas fazem alusões a mortes violentas, e o local que os dweorgas moram é o subsolo rochoso, um local literalmente pertencente aos mortos.


(Gravura por Frølich)

Os dweorgas seriam assim seres liminares, ou seja, habitantes de regiões fronteiriças entre nossa realidade e o outro mundo, os quais habitam o espaço não humano, e são vistos com ainda mais amoralidade do que os ylfe, frequentemente associados a danos causados, tanto na mitologia, quanto no folclore de medicina popular. Como mortos também são seres liminares, ofertas para os dweorgas são provavelmente mais efetivas se deixadas em locais que envolvem liminaridade, como lagos, portas e portões, ou divisas naturais. Eles são aparentemente capazes de oprimir suas vítimas durante o sono, exercendo seus poderes sob a forma de pesadelos e paralisia do sono.

Todavia, como criaturas perigosas, é um tanto desaconselhado entrar em um ciclo de oferendas com esses seres, buscando um relacionamento mais próximo, como com outros tipos de wihta. Os dweorgas também são seres ctônicos, telúricos, ou habitantes do mundo inferior, semelhantes aos Dii Manes da religião romana, de modo que os gestos de apaziguamento durante períodos especialmente limítrofes ou liminares do ano (Gēola, Winterfylleþ) são aconselháveis para impedir sua invasão

Na mitologia das Eddas, os dvergar são associados às quatro direções, Norðri, Suðri, Austri e Vestri (norte, sul, leste e oeste, respectivamente), e, dada a importância ritual dada a receitas médicas no Lacnunga, parece a acertado se supor que eles podem auxiliar nesse tipo de trabalho.

Iconografia: --

Fontes atestadas: Assim como os disparos de ylfe, em fontes posteriores na Noruega encontramos Alvskot (disparo de ælf), trollskot (disparo de troll) e dvergskot (disparo de dweorg). A Edda Poética atesta dezenas de nomes de dweorgas, e na Vǫluspá, os dweorgas são ditos surgindo do sangue e ossos de Ymir. Ainda na Edda Poética, eles aparecem como habilidosos artesãos, trabalhando tanto com metais, inclusive armas para as divindades, como fermentadores do hidromel, embora as funções relacionadas a trabalhos de construção de ferramentas no mundo anglo-saxão estejam mais explicitamente associados aos ēotenas.

Interpretatio Romana: Nenhuma.

Bīnaman Contemporâneos: --

Fontes

Concerning Dweorgas, Wodgar Inguing <https://sundorwic.wordpress.com/2017/05/06/concerning-dweorgas/>