O espírito multiparte

Hām » Teologia » O espírito multiparte

Imagem de Wóden no Cotton MS Caligula A VIII

Publicado originalmente em Wind and the World Tree
Tradução de Seaxdéor


O espírito

O conceito moderno de espírito como sendo um aspecto espiritual singular de uma pessoa não é a maneira que essas coisas eram concebidas na antiga sociedade anglo-saxã. Para aqueles antigos heathens, o espírito era multifacetado, feito de muitas diferentes partes, cada uma delas carregando sua própria função. Apesar de nenhuma lista de partes de um espírito ter persistido da sociedade anglo-saxã, existem indícios disso os quais permanecem na antiga literatura e dentro da própria linguagem.

Em certo sentido, o espírito funcionou baseado no que uma pessoa estava fazendo ou as circunstâncias da existência dela. Em nossas vidas cotidianas, esse assunto tem peso mas não ao grau que ele alteraria coisas. Dessa forma, nós tipicamente concebemos o espírito em termos do nosso ser no momento. Embora não haja muito mais acontecendo em termos das crenças anglo-saxãs. Seu próprio entendimento [consciousness] está envolvido com seu espírito, suas memórias, sua cosnciência [conscience], e sim, seu corpo também. Dessa ideia nós vamos trabalhar do visível e invisível de fora para dentro.

 

O Líc:

O que é o espírito sem o corpo? O que é o corpo sem o espírito? Os dois são necessários um para o outro para juntos criar o ser com o qual nós estamos acostumados. Nesse nível, o Líc é o corpo, o corpo físico.

 

O Ealdor (Æþm):


O Ealdor, ou Æþm, é essencialmente o suspiro da vida. Vendo como seu corpo permanece vivo quando seu espírito viaja, isso pode ser inferido que o Ealdor permanece com o Líc sob a circunstância do sonho e viagem. Ainda após a morte, este aspecto do espírito de uma pessoa (a) deixa e é desconectado de seu ser. Este ultimamente conecta-o e o separa do Líc. Ele é um aspecto do Líc porque o Líc não pode viver sem ele; ele separa-se do Líc após a morte.

 

O Hama:


O Hama é um pouco mais difícil de entender e um pouco controverso. Hama significa uma cobertura natural, uma membrana, como a apele expelida de uma cobra. Ainda este significado não faz jus à palavra em um sentido espiritual.

A conexão nórdica seria com o cognato Hamr. Dentro da literatura nórdica nós vemos exemplos desse conceito através da "Hamför" ou uma jornada para fora do eu de uma pessoa, e no Hávamál Odin afirma conhecer feitiços para impedir bruxas de retornar ao seu "heim hama" a pele onde residem. Essencialmente, o Hama é o que está espiritualmente nos arredores em uma cobertura. Ainda há um pouco de contradilção por causa de um aspecto - o hama sai com a pessoa durante o Hamför ou é uma viagem fora do Hama? O conceito de "heim hama" mostra-nos que o Hama era visto como deixado para trás quando o Ferþ de uma pessoa sai do seu Líc porque os feitiços dos quais Odin fala preveniriam uma pessoa de retornar ao seu Hama. A linguística também ajuda nesse sentido; a cobra expele sua carcaça (Hama) e sai. Assim também a pessoa deixa seu Hama para trás durante a Hamför. Para complicar o assunto, uma pessoa tem uma forma dentro de si mesma que pode mudar sua forma durante viagens chamada de Hiw. O Hiw é como um aspecto do Hama, o aspecto interno quase como uma forma impressa dele. O próprio Hama ainda é também internamente conectado a um aspecto do espírito e pode influenciar a pessoa.

Um exemplo disso são os bebês; bebês crescem dentro de um hama, dentro de uma membrana. Ainda assim alguns bebês nascem com uma membrana fetal, uma membrana que permanece sobre suas cabeças durante e após o parto. Esta membrana fetal foi considerada um sinal de sorte por centenas de anos através da Europa. Crenças sobre isso persistiram até os tempos modernos porque eu me lembro de minha própria avó observando que meu avô não era apenas sortudo mas aparentemente presciente por ter nascido com uma membrana fetal. A membrana fetal é como uma manifestação de um aspecto do Hama e de certa forma influencia a sorte e as habilidades de uma pessoa. Em cada um desses usos, nós nos aproximamos de uma ideia espiritual de um hama.

Acredito que a verdade sobre o Hama está em algum lugar entre essas coisas. O Hama é sim, deixado para trás, mas existe material para dizer que também tem algo a ver com a jornada em si. Para conciliar isso, é provável que o Hama desempenhe um papel em conectar a pessoa ao seu Líc para que ela possa retornar corretamente.

Se o Hama afeta uma pessoa ao longo da vida, o que acontece depois da morte? É possível que o Hama permaneça após a passagem de uma alma e que possa então formar a base para assombrações. Isso também pode explicar o destino dividido para o espírito de uma pessoa ser, alternativamente, o monte [onde foi enterrada] ou a vida após a morte.

 O Hiw:

Embora seja comumente considerado dentro da Heathenry nórdica que o Hamr esteja sendo usado para mudar de forma, em anglo-saxão o termo para a forma que muda é chamado de Hiw, enquanto o Hama é o que é deixado para trás. A metamorfose como conceito não era desconhecida nas fontes anglo-saxônicas porque a ideia persistia em contos populares e também em conceitos como o Werewulf. Isso pode ser uma mudança externa, mas provavelmente se aplica ao mesmo tipo de mudança espiritual que se vê realizado por Odin. Na Ynglinga Saga, é dito mais claramente que Odin mente como se estivesse morto ou dormindo enquanto seu espírito se distancia e muda sua forma à vontade. Essa mudança da forma espiritual é conhecida pelos anglo-saxões como "hiwung". O Hiw, ao invés de ser uma parte distinta da alma, é provavelmente a forma que o Ferþ toma fora do Hama e do Líc ou uma extensão do Hama fora do Líc. Dada a conexão com o Hama, pode ser que o Hiw naturalmente tome a forma do Hama com o qual está conectado, mas que é maleável de uma forma que o Hama não é.

O Ferþ (alternativamente, o Mod):

O Ferþ (também escrito Ferhþ, Feorþ, Færþ) pode ser traduzido como o espírito ou alma e esta é a parte de nós que é mais parecida com o que pensamos quando pensamos “alma”. No entanto, esse aspecto de nós mesmos é composto de outras partes. Além disso, esse não é o único termo para esse aspecto particular do eu de uma pessoa. O Mod e o Ferþ são termos sinônimos para o espírito, o eu interior. O Ferþ inclui o Hyge e o Myne.

O Hyge:

O Hyge é o pensamento, considerando e julgando parte da mente. É nossa capacidade mental para pensar. É também a consciência, a parte de nós nos dizendo para fazer ou não fazer alguma coisa. Pode ainda ser traduzido como o coração, porque é no Hyge que os heathens antigos acreditavam que a bravura e a coragem residiam. O Hyge é uma parte do Ferþ, o eu interior. A conexão nórdica aqui é para Huginn, o corvo de Odin que representa o pensamento. No entanto, o pensar aqui, neste caso, não é mero pensamento, porque as nossas palavras e entendimentos modernos mudaram desde esse ponto. Pensar nesse caso é mais profundo, é decidir também.

O Myne:

O Myne é a memória de uma pessoa e sua capacidade de evocá-la. É mais uma parte do Ferþ. A conexão nórdica óbvia aqui é com Munin, o corvo de Odin que representa a memória. Enquanto nós tivemos que divorciar nosso pensamento moderno do antigo quando se tratava de Hyge, o Myne está muito mais próximo da ideia moderna de memória sem qualquer revisão importante.


Folgere (m) ou Fylgestre (f):

Na literatura nórdica, encontramos a Fylgja, um espírito ligado a uma pessoa, mas não ao eu de uma pessoa. Este espírito é tipicamente visto como uma espécie de guardião protetor. Embora não sejam especificamente atestados na literatura anglo-saxônica com esse nome, os cognatos para o conceito de um Fylgja em inglês antigo seriam Folgere (masculino) e Fylgestre (feminino); o termo significa seguidor. Estes têm sido atestados com bastante frequência na literatura nórdica e são frequentemente mencionados dentro da Heathenry moderna para garantir a inclusão de pelo menos uma breve menção. Eles não fazem parte da alma, mas parecem ser um tipo externo de proteção espiritual.

Como isso se relaciona com você:

Não é provável que você fique acordado à noite, imaginando a natureza multifacetada da alma. Nossas mentes conscientes estão muito preocupadas com outros assuntos em geral. Desta forma, é provável que pensemos em nós mesmos no estado desperto da mesma maneira que este desenho. O Líc somos nós, nós somos o Líc e o Hama poderia então ser pensado como nos cercando da mesma maneira que algumas outras crenças têm considerado uma “aura”. No entanto, se pararmos aí, perderemos todo o sentido disso.

Fonte: artigo original
Fonte: Artigo original
Quando dormimos e sonhamos, quando nos aprofundamos em nossos próprios pensamentos, para onde vamos? É uma questão religiosa e filosófica. No entanto, uma coisa é absolutamente certa. Os anglo-saxões acreditavam que os sonhos vinham de fora de nós mesmos. Você só precisa examinar os encantos médico-mágicos dos anglo-saxões para ver e entender que, para suas crenças, os sonhos eram externos e carregavam peso e importância. Existem muitos encantos para prevenir ataques maliciosos de várias forças naturais e sobrenaturais no sono. Uma pessoa pode se tornar um æfsiden, ficar sob o feitiço de bruxas ou até mesmo ter dweorgas ou uma Mære atacando uma pessoa. Os anglo-saxões também acreditavam no conceito de viagem espiritual e até de transformação espiritual, como pode ser visto com a ideia do hiwung. Este termo, bem como muitas outras histórias [lore], mostra a ideia de se sair fora de si mesmo - seja em sonhos ou em outras práticas. Então, se as pessoas podem deixar seu corpo, o que vai e o que fica?

Fonte: Artigo Original
Nesse diagrama, entramos no básico de um espírito que viaja da melhor maneira possível, conforme meu entendimento. Há muitas histórias [lore] em fontes nórdicas para ignorar que o Hama seja ligado de alguma forma ao viajar do espírito. No entanto, o elo linguístico aponta mais para ser deixado para trás, especialmente na morte. O ponto comum poderia ser que o Hama se estende entre os dois e isso poderia ser um pouco apoiado pelo Hávamál quando Odin fala de um feitiço para confundir as bruxas de retornar ao seu heim-hama. A implicação é que o retorno seria automático, a menos que seja impedido. O aspecto adicional disso é que adulterar o processo de viajar é de fato possível, o que o torna perigoso. A escrita também diz que o feitiço poderia mantê-las longe de seu heim-huga ou própria mente, o que eu interpretaria como sendo a mente da pessoa que elas eram antes de viajar, suas sensibilidades originais. Se o seu Hyge pode ser adulterado e seu Hama pode ser perdido de você, a perspectiva de viajar pode ser perigosa.

Há aspectos que mostram que também se pode dividir seu Hyge voluntariamente ou a contragosto, colocando-o sobre outra pessoa. Enquanto isso pode ser metafórico de seus pensamentos habitando em outra pessoa, provavelmente deve ser levado mais a sério.

Fonte: Artigo original
Muito provavelmente, o momento mais influente e importante que esse assunto se torna importante é a morte. Após a morte, o Ealdor deixa o corpo. Em algum momento, o Ferþ deixa o corpo também. O Ferþ provavelmente não sai imediatamente porque, de outro modo, qual seria a importância dos presentes funerários? Os anglo-saxões deram presentes funerários com sentido votivo e literal. Presentes de transporte, como um cavalo ou um barco, são fundamentais para esse aspecto em particular, porque isso importaria, a menos que algum tipo de jornada esteja implícito na vida após a morte. Por que uma pessoa receberia bens graves se seu espírito não encontrasse nenhum benefício após a morte? Por causa disso, acredito que o Ferþ espera pelo menos até o enterro antes de viajar para a vida após a morte.

O Hiw e o Hama fornecem um ponto interessante. O Hiw poderia ser uma parte do Hama ou simplesmente a forma do Ferþ, de qualquer forma, é improvável que o Ferþ seja disforme após a morte, então o Hiw continua. No entanto, o Hama é descartado e deixado para trás quando o Ferþ sai. Essa parte distintamente espiritual de uma pessoa não tem sua memória e sua personalidade; é uma casca do seu antigo eu. No entanto, é também uma parte da pessoa. É quase certo que ele mantém a forma - tendo mantido a forma por tanto tempo, por que isso deveria mudar? No entanto, privado de Hyge e Myne, o espírito-Hama agora desconhece.

Existe um aspecto único na crença heathen - os antigos pagãos mantinham uma vida após a morte em um mundo diferente em suas crenças, bem como uma vida após a morte no monte. Como eles podem ter as duas coisas? O Hama permanece amarrado aos restos físicos da pessoa enquanto o Ferþ viaja para a vida após a morte. Isso ajudaria muito a explicar como os elfos e as criaturas eram vistos como ancestrais - se o Hama se esquece de quem é, o que o impede de se tornar um wiht ou um elfo? Seria semi-humano, um tanto reconhecível, mas em muitos aspectos desumano. Isso poderia facilmente explicar a natureza confusa de como fantasmas e espíritos tendem a ser descritos. Também explicaria que raciocínio poderia haver para visitar uma sepultura e conversar ou oferecer na própria sepultura - talvez para lembrar ao espírito quem eles eram e para aliviá-los.

Isto é o que significa uma alma de múltiplas partes. Os pagãos acabarão em mais de um local como parte de sua vida após a morte. Seu Hama será ligado a esta terra enquanto sua Ferþ viaja para a vida após a morte.

Fontes:
Bosworth, Joseph. “An Anglo-Saxon Dictionary Online” March 21, 2010. Accessed January 23, 2018. http://bosworth.ff.cuni.cz/
Inguing, Wodgar. “Lārhūs Fyrnsida” Parts of the Self, Accessed January 23, 2018. https://larhusfyrnsida.com/parts-of-the-self/
Miller, Sean, trans. “Anglo-Saxons.net” The Hávamál, Accessed January 23, 2018. http://www.anglo-saxons.net/hwaet/?do=get&type=text&id=Hav
Sturlson, Snorri. “Internet Sacred Text Archive” The Yngling Saga, Trans. Samuel Laing. Accessed January 23, 2018. http://www.sacred-texts.com/neu/heim/02ynglga.htm